sábado, maio 27, 2006

LEMBRANÇAS

Há muito que tenho vindo a afirmar que nunca ninguém me “apanharia” a “brincar” na Internet. Entretanto, há dias, para poder responder à minha neta, que fez um blog engraçadíssimo sobre Raias, tive que abrir um blog próprio. Quando dei por mim estava, não só a responder à minha neta como também a ver o blog do me genro e a escrever-lhe um comentário. Sem quase me aperceber estava a bisbilhotar as consultas do blog do Carlos e a procurar os novos blogues. Foi assim que li um texto de “Manuel Neves” que me sensibilizou e me impeliu a escrever um comentário. Tinha levado a primeira picada do “bichinho blogueiro”. E hoje acho que levei forte ferroada.
O tal texto encantador que li falava de lembranças das avós, da mãe, do passado, lembranças queridas que marcam para todo o sempre quem as tem.
Infelizmente poucas lembranças tenho de avós. Só conheci a minha avó Clementina, mãe do meu pai, que morreu era eu muito pequenina ainda. Mesmo assim, no meu coração continua viva a sua lembrança.
Mas tenho outras lembranças que me fazem sentir que sou Mãe e Avó (com letra grande e tudo) muito feliz. E algumas dessas “lembranças” continuam bem guardadas, não só no meu coração, mas também na minha gaveta. Porque são escritas. Os meus filhos e netos que não se zanguem, mas vejam se tenho ou não razão.
Tinha a minha filha Inês 8 anos e escreveu-me este maravilhoso postal de Boas-Festas.
.


O Bruno, meu filho, também com 8 anos na altura, ofereceu-me este poema no Dia da Mãe.
.

E a minha neta Mafalda, entre muitas mensagens que me tem escrito ao longo dos seus 10 aninhos, ofereceu-me este “encanto”, em 2005, no dia em que fiz 60 anos.

O Guilherme, meu neto, não é de muitas palavras, mas de muitos desenhos. Fez este e ofereceu-mo pelo Carnaval de 2006.

Não acham que tenho razão?
Sou FELIZ com tais “lembranças”.

2 comentários:

manuel neves disse...

Viva!
Tal como prometeu, um texto à maneira.

Agradeço comovidamente as referências que faz ao meu texto de homenagem ás "minhas mães" e ás "mães do mundo".

Na verdade, porém, é o seu texto que me deixa de lágrima ao canto do olho.
Num mundo de umbigos (cada um olha só para seu), de ganâncias, ódios, globalização (de que lado do mundo?!), são estas "pequenas coisas" que dão sentido e importância à vida.

Por favor, continue com o seu blog, os sentimentos também têm que ser "postados".

Um grande Bem-haja.

asn disse...

Já sei que os mes filhos e os meus netos passaram por este sítio, só que parece que são muito "envergonhaditos" e não deixaram aqui a sua marca actual, que a de outros tempos já a mãe e avó Zaida se encarregou disso.
Toma lá que é democrático!...
Mil beijinhos e beijões e caneladas se for preciso!
Eu...